Alongamento após trauma

 
 

Os alongamentos em discrepâncias adquiridas estão voltados à Reconstrução dos membros por seqüelas de trauma. Visa corrigir a igualdade de comprimento entre os dois segmentos, sendo um dos capítulos da reconstrução dos membros. Figura 1.


































Fig. 1  Acima imagens pré-operatória de seqüelas cirúrgica . Paciente apresentava  deformidade e encurtamento de 11cm do fêmur direito. . A baixo, Rx durante o alongamento: vê-se regeneração óssea e as fotografias após o termino  da correção




CASO CLÍNICO :


Paciente aos 17 anos de idade com sequelas de Osteomielite Hematogênica


VÍDEO 1.

CASO CLÍNICO :


Paciente aos 17 anos de idade com sequelas de Osteomielite Hematogênica


VÍDEO 1.


A Osteomielite Hematogênica seqüestrou  o terço médio da tíbia esquerda. A fíbula durante muito tempo, sustentou o peso deste lado . Não agüentou e apesar de ter se hipertrofiado envergou e a deformidade foi se aumentando durante o crescimento.

O tratamento levou vários anos, sendo focado na sua primeira fase em corrigir o arqueamento da perna. A conseqüência desta grande correção foi o surgimento de outras deformidades. Logo no início, com as forças de trações na tíbia, o joelho deslocou-se posteriormente.  Isto nos levou a inseri-lo na montagem por 3 meses. Depois, o pé  apresentou deformidade secundária. Quando colocarmos o fixador para corrigi-lo,  simultaneamente iniciamos o alongamento. O processo foi lento e executado principalmente na fíbula.  Como se tratava de uma jovem, contavamos com o auxílio biológico do periósteo, que após a tração do alongamento, reconstruiu parte da diáfise da tíbia por si só. Finalmente, a utilização de enxerto homologo preencheu o espaço da falha óssea restante.




















 

Corrigimos deformidade primeiro e depois o encurtamento


Seqüelas de traumatismo ou doenças adquiridas na infância como a pioartrite ou a osteomielite hematogênica levam a grandes desigualdades

vídeo 1